quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

As escolhas da PERCA - Sarah McLachlan

As escolhas da PERCA - One Republic

Esta banda tem um dos meus albuns favoritos. Ainda assim, suckam ao vivo. O vocalista canta miseravelmente nos shows que pude ouvir. Infelizmente, foi uma tremenda desilusão.
No entanto, não consigo desligar-me do álbum de estúdio. Tentei seleccionar não apenas os singles mas algo mais obscuro das músicas do álbum. Os clips foi o que se pode arranjar.
Bom ano a todos ;)





terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Mortal Kombat parte II

Mortal Kombat parte I

Os Votos da PERCA

A Equipa PERCA deseja a todos os visitantes e a ela própria (a PERCA é um ente egocêntrico) Boas Festas e um Próspero Ano Novo.
Esperamos que em 2009 consigamos recolher ainda mais miminhos do que no ano que agora se finda! :)

Upgrade da PERCA

Mais um miminho detectado num WC público... Parece-me ainda mais erudito que o último que cá deixei...

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

In Memoriam - Fernando Pessoa

"O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p’ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!
Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…"


Fernando Pessoa

Rádio Moçambique

Mais um excelente vídeo... profundamente pedagógico!

Floribella Alternativa - Parte I

Embora a FS3 não seja apreciadora, penso que estas adaptações da Floribella sejam profundamente educativas, nomeadamente para aprendermos espanhol!



Música do camarão

Esta decadência já vem figurar tarde na nossa PERCA!

As Escolhas da PERCA - Aimee Mann

Regresso às músicas com uma senhora cheia de potencial! (FS1 esta já cá canta! :P)





sábado, 27 de dezembro de 2008

Signos zodiacais do miminho III

SAGITÁRIO:

Divertido, faz muitas vezes figuras tristes por se despir em público com as cuecas habitualmente cagadas e mijadas.
O seu vocabulário é limitado e tem olhos de carneiro-mal-morto.
É bastante peludo e tem o hábito de fazer tranças nos pintelhos.
A mulher Sagitário é pavorosa e tem as axilas com bastante pelosidade.
A criança Sagitário é uma aberração da natureza mas às vezes é simpática, mas não muito.

CAPRICÓRNIO:

Inteligente mas tem a mania que é mais que os outros. Por esta razão é muitas vezes espancado e violado.
Gosta de gritar durante o sexo e de morder as bordas do cu do/da parceiro/a.
É alcoólico e costuma ter sempre a casa que mete nojo.
A mulher Capricórnio tem uma peida gigante e peida-se com frequencia.
A criança Capricórnio é uma cópia dos pais... bêbeda e mal-cheirosa.

AQUÁRIO:

É um visionário. Mas não vê muito mais além que a ponta
do seu nariz pois é muitas vezes um cegueta com óculos tipo fundo de copo 3.
É um azarado de primeira e costuma pisar merda com frequência.
O seu aspecto porco e sujo faz com que tenha poucos amigos.
A mulher Aquário é maluca e arrota de boca aberta à mesa.
A criança Aquário parece um macaquinho.
Borra-se com frequência.

PEIXES:

É amável... mas só quando lhe convém.
É interesseiro mas sofre de consciência pesada.
Devido aos nervos tem a pele escamosa a contrastar com o cabelo oleoso.
Gosta de ser maltratado(a) e abusado(a).
Aprecia chuva dourada e spanking.
A mulher Peixes cheira a peixe e tem a paranoia de se masturbar com as unhas falhadas, mas só quando não vai à esquina foder o primeiro(a) q apanha.
A criança Peixes é porca e feia e pensa que é um bolo de arroz.

As escolhas da PERCA - Wandue Project

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

The Reader trailer

Mais uma descoberta da mana ;)

Signos zodiacais do miminho II

LEÃO:

Altivo e normalmente muito bonito, o que faz com que seja
arrogante e petulante... mas tão petulante que só dá vontade de lhe
arrebentar a tromba à chapada.
Têm a mania que são bons mas são uma merda cagada porque têm muitas vezes hemorróidas o que lhes impede de fazer sexo anal(que adoram). Usam muitas vezes o cabelo estilo emigrante.
As mulheres Leão são sado-masoquistas e adoram que lhes dêem palmadas no cu com uma pá das obras.
A criança Leão é estúpida e tem muitas vezes diarreia.

VIRGEM:

Organizado e metódico, tem a mania de guardar os
preservativos usados para não esquecer de quantas já deu.
É apanhado muitas vezes nas dunas a masturbar-se com revistas da Mónica e do Cebolinha.
Tem pavor de sexo oral pois receia engasgar-se.
A mulher Virgem tem os lábios bastante salientes e costuma rapar os pelos em forma de coração.
A criança Virgem é medonha. Tem geralmente os dentes podres.

BALANÇA:

Com ar simpático mas completamente desequilibrado. Tem ar de louco.
Costuma falar sozinho nas esplanadas e tem tiques de bicha.
Gosta de arte mas acha que a Mona Lisa é uma marca de desentupidor de sanitas...
portanto é mesmo um burgesso... uma besta quadrada.
Tem muitas vezes apenas um testículo.
A mulher Balança é machona e costuma ter buço e pêlos nas mamas.
A criança Balança tem frequentemente falta de cálcio nos ossos por isso é raquítica e mentirosa.

ESCORPIÃO:

É dinâmico, mas falta-lhe ali qualquer coisinha.
Geralmente falta-lhe o bom senso para perceber que não pode passar o dia a enfiar o dedo no cu e a cheirar.
Costuma ter doenças venéreas porque prefere enfiar o preservativo nos pés enquanto faz sexo.
É pálido e tem sempre aspecto cadavérico.
A mulher Escorpião rói as unhas dos pés e assobia pela rata.
A criança Escorpião aprecia geralmente o seu próprio ranho e pensa muitas vezes que é um cão com raiva.
Uiva muito.

Contemporâneos - Ensaio sobre a sinusite

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Signos zodiacais do miminho

CARNEIRO:

É entusiasta e energético, por isso só faz é merda.
Leva tudo à frente até bater com os cornos na parede.
E depois chora porque é um maricas de merda.
Gostam de desporto mas têm mau perder como o caralho.
A mulher Carneiro é bastante peluda na zona púbica.
As crianças Carneiro são
geralmente piolhosas e ranhosas.

TOURO:

Calmos e tenazes, mas é só de aparência porque são invejosos e teimosos como os cornos que têm na cabeça(mas no verdadeiro sentido da palavra, porque são muitas vezes encornados por serem péssimos no sexo).
Comem que nem umas bestas e de boca aberta.
As mulheres Touro são umas vacas. As crianças Touro são geralmente feias e peidam-se muito.

GÉMEOS:

Falam como o caralho mas não dão uma para a caixa.
Babam-se e deitam perdigotos para cima de quem falam.
São uns filhos da puta que só pensam neles e nas gajas ou gajos que querem mocar...
sim os gémeos papam tudo o que lhes aparece à frente, desde o padre da paróquia à velhinha com Alzheimer.
A mulher Gémeos acaba geralmente em puta drogada.
A criança Gémeos é manipuladora e gosta de enfiar o dedo no cu.


CARANGUEJO:

São amorosos e sonhadores por isso metem nojo aos porcos.
Sempre com cara de parvos são muitas vezes apanhados a masturbar-se em gabinetes de prova de roupas porque não arranjam ninguém que lhes queira tirar os 3.
Vestem-se mal porque mesmo aos 40 são as mães que lhes escolhem a roupa.
As mulheres Caranguejo têm mamas grandes e flácidas e usam pensos higiénicos ultra com alas (Reglex).
As crianças Caranguejo cheiram mal dos pés e gostam de mexer nos seus cagalhões com um pauzinho de fósforo.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal a todos

Image Hosted by ImageShack.us


original aqui.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Um clássico para a mana :)

As Escolhas da PERCA - Rita Redshoes

Dedico esta música às duas FS'S (em especial à FS3, que a detectou) . A música é simplesmente linda (e a jovem é Portuguesa, o que é de todo o interesse!)

Feliz Natal para todos :)

domingo, 21 de dezembro de 2008

Para pensar

sábado, 20 de dezembro de 2008

Made in Portugal xD

xD eu sei que sentiam falta destas escolhas. eu recolho merdum de todo o rigor xD
ouçam isto e chorem.
passo a citar alguns comentários fatais a este sofredor artista:


matabandalhos (1 month ago)

Vai guardar gado, moço, corta essa gadelha e faz uma esfregona.


toniopatas (4 months ago)

OMFG,este Personagem pos me a rir durante 2 horas inda dizem que ele n e demais, por favor, que pao, e tem sotaque de mondim de bastos, ok, este homem e saloião... "honesta e gaiteira"??? fogo, vai pa casa telmo



As escolhas da PERCA - Jordin Sparks feat Chris Brown

Porque ainda faltava cá este single desta menina ;)))

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

As Escolhas da PERCA - James Morrison

Sempre que oiço este intérprete lembro-me da FS3... ;)



As Escolhas da PERCA - Rihanna

Como não poderia deixar de ser, a nossa PERCA revela mais um jovem talento... Dizem que está falida mas ainda assim continua a ser de todo o interesse...





quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

In Memoriam - Fernando Pessoa

"Vivo das lágrimas que lembro.
Vivo daquilo que perdi.
Era manhã, era Dezembro.
Tu ias morta, e eu não senti;
Era criança, não senti.

Hoje relembro, hoje relembro
Como tu antes nunca vi.
Finjo, imagino, ou só relembro
Esse amor onde não vivi?
Sei que - tão longe estás! - te lembro
E lembro e amo; morta, ali -
Era manhã, era Dezembro.

Voou longe quanto houve de ti...
Era manhã, era Dezembro.
Mas só hoje é que te perdi."

Este é para a FS1:

"Grandes mistérios habitam
O limiar do meu ser,
O limiar onde hesitam
Grandes pássaros que fitam
Meu transpor tardo de os ver.

São aves cheias de abismo,
Como nos sonhos as há.
Hesito se sondo e cismo,
E à minha alma é cataclismo
O limiar onde está.

Então desperto do sonho
E sou alegre da luz,
Ainda que em dia tristonho;
Por o limiar é medonho
E todo passo é uma cruz."

As Escolhas da PERCA - The Cranberries

Dedicadas à FS1... Para mim são claramente uma referência, ainda que estejam actualmente desaparecidos...







Homenagem da PERCA - FS1

Este post é exclusivamente dedicado à FS1 que se ausentará durante uns dias da nossa PERCA, privando-nos dos seus comentários.

Deixamos-lhe um beijinho e votos sinceros de que tudo corra pelo melhor :) Pelo que pude verificar ontem, depreendo que seja esta a figura que ela esteja a fazer actualmente... ;)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Poesia da PERCA - Affonso Romano de Sant'Anna

"Deixa que eu te ame em silêncio.
não pergunte, não se explique, deixe
que nossas línguas se toquem, e as bocas
e a pele
falem seus líquidos desejos.

deixa que eu te ame sem palavras
a não ser aquelas que na lembrança ficarão
pulsando para sempre
como se amor e vida
fossem um discurso
de impronunciáveis emoções."

Affonso Romano de Sant'Anna

Shit happens

Após uma noite de intensa pesquisa lool ;) aqui ficam algumas PERCAS genuínas vindas de casamentos alheios xD






domingo, 14 de dezembro de 2008

Planeamento? Oo

Já aqui se notava a futura revolta que a equipa PERCA iria trazer ao país:

1, 2, 3 diga lá outra vez

Julgo que a honestidade e frontalidade da equipa PERCA está a afectar até mesmo a mais alta classe política.
Senão, vejamos:

Escolhas da PERCA - Secret Garden

Partilho convosco uma descoberta recente.
Gosto muito deste tipo de música. Gosto de vários tipos de música, aliás. Este é um deles.





As relações sociais

Este é um assunto que me intriga há vários anos. A capacidade (ou incapacidade) do ser humano para ser um ser social, com redes de amigos ou conhecidos.
De há alguns anos a esta parte, as relações sociais estruturaram-se de diferentes formas das que me ensinaram a valorizar. Hoje o importante é o que a pessoa nos poderá ajudar a atingir em pouco tempo. Seja porque tem conhecimento que nos é relevante, porque tem uma rede social de interesse ou porque eventualmente poderá ter outro qualquer préstimo.
Sempre tive alguma dificuldade em ligar-me às pessoas. Em especial a outras mulheres. Precisamente porque as mulheres jogam melhor o jogo do social do que os homens. Conseguem ascender nas teias do poder de formas que se eu tentasse não seria capaz.
Interrogo-me do preço que essas pessoas pagam. Quando estão sozinhas, terão alguma mão realmente estendida? Alguém se importará verdadeiramente com estas pessoas? Se estão bem? Se têm problemas?
Num mundo e numa sociedade onde o rápido é o valorizado, onde tudo é fast onde ficam as relações sociais?

As Escolhas da PERCA - Chemical Brothers

Uma referência do universo da música electrónica...







sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Escolhas da PERCA - Nach

A pedido do ilustre visitante aqui fica uma partilha :)
Espero que ao menos tenhamos direito a um pequeno comentário :pp

The Unborn

A próxima ida ao cinema das meigas fs's ;)
xD e ninguém se pode cortar. PERCA meeting neste movie lool

As Escolhas da PERCA - Fatboy Slim

Depois de ter sido ultrapassada indecentemente pela FS1, decidi seleccionar para hoje, como sinal da minha indignação (:P), um senhor que certamente irá agitar um bocadinho as hostes... ;)







quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Pérolas resgatadas

As fs's resolveram recolher pérolas antigas do baú da PERCA :)


Futuras reacções das fs'sob stress

Manifesto Anti-Dantas

Este manifesto marcou a vida das meigas fs's.

Não há nada como "Morra o Dantas, morra! PIM!"
Temos que dizer que Almada Negreiros arrasou. Assim fosse vivo e seria co-autor da PERCA.

Fazemos-lhe uma vénia.

"Manifesto Anti-Dantas"

Basta PUM Basta!!!

Uma geração que consente deixar-se representar por um Dantas é uma geração que nunca o foi. É um coio d'indigentes, d'indignos e de cegos! É uma resma de charlatães e de vendidos, e só pode parir abaixo de zero!

Abaixo a geração!

Morra o Dantas, morra! PIM!

Uma geração com um Dantas a cavalo é um burro impotente!

Uma geração com um Dantas ao leme é uma canoa em seco!

O Dantas é um cigano!

O Dantas é meio cigano!

O Dantas saberá gramática, saberá sintaxe, saberá medicina, saberá fazer ceias para cardeais, saberá tudo menos escrever que é a única coisa que ele faz!

O Dantas pesca tanto de poesia que até faz sonetos com ligas de duquesas!

O Dantas é um habilidoso!

O Dantas veste-se mal!

O Dantas usa ceroulas de malha!

O Dantas especula e inocula os concubinos!

O Dantas é Dantas!

O Dantas é Júlio!

Morra o Dantas, morra! PIM!

O Dantas fez uma soror Mariana que tanto o podia ser como a soror Inês ou a Inês de Castro, ou a Leonor Teles, ou o Mestre d'Avis, ou a Dona Constança, ou a Nau Catrineta, ou a Maria Rapaz!

E o Dantas teve claque! E o Dantas teve palmas! E o Dantas agradeceu!

O Dantas é um ciganão!

Não é preciso ir pró Rossio para se ser pantomineiro, basta ser-se pantomineiro!

Não é preciso disfarçar-se para se ser salteador, basta escrever como o Dantas! Basta não ter escrúpulos nem morais, nem artísticos, nem humanos! Basta andar com as modas, com as políticas e com as opiniões! Basta usar o tal sorrisinho, basta ser muito delicado, e usar coco e olhos meigos! Basta ser Judas! Basta ser Dantas!

Morra o Dantas, morra! PIM!

O Dantas nasceu para provar que nem todos os que escrevem sabem escrever!

O Dantas é um autómato que deita para fora o que a gente já sabe o que vai sair... Mas é preciso deitar dinheiro!

O Dantas é um soneto dele próprio!

O Dantas em génio nem chega a pólvora seca e em talento é pim-pam-pum.

O Dantas nu é horroroso!

O Dantas cheira mal da boca!

Morra o Dantas, morra! PIM!

O Dantas é o escárnio da consciência!

Se o Dantas é português eu quero ser espanhol!

O Dantas é a vergonha da intelectualidade portuguesa!

O Dantas é a meta da decadência mental!

E ainda há quem não core quando diz admirar o Dantas!

E ainda há quem lhe estenda a mão!

E quem lhe lave a roupa!

E quem tenha dó do Dantas!

E ainda há quem duvide que o Dantas não vale nada, e que não sabe nada, e que nem é inteligente, nem decente, nem zero!

Vocês não sabem quem é a soror Mariana do Dantas? Eu vou-lhes contar:

A princípio, por cartazes, entrevistas e outras preparações com as quais nada temos que ver, pensei tratar-se de soror Mariana Alcoforado a pseudo autora daquelas cartas francesas que dois ilustres senhores desta terra não descansaram enquanto não estragaram para português, quando subiu o pano também não fui capaz de distinguir porque era noite muito escura e só depois de meio acto é que descobri que era de madrugada porque o bispo de Beja disse que tinha estado à espera do nascer do Sol!

A Mariana vem descendo uma escada estreitíssima mas não vem só, traz também o Chamilly que eu não cheguei a ver, ouvindo apenas uma voz muito conhecida aqui na Brasileira do Chiado. Pouco depois o bispo de Beja é que me disse que ele trazia calções vermelhos.

A Mariana e o Chamilly estão sozinhos em cena, e às escuras, dando a entender perfeitamente que fizeram indecências no quarto. Depois o Chamilly, completamente satisfeito, despede-se e salta pela janela com grande mágoa da freira lacrimosa. E ainda hoje os turistas têm ocasião de observar as grades arrombadas da janela do quinto andar do Convento da Conceição de Beja na Rua do Touro, por onde se diz que fugiu o célebre capitão de cavalos em Paris e dentista em Lisboa.

A Mariana que é histérica começa a chorar desatinadamente nos braços da sua confidente e excelente pau de cabeleira soror Inês.

Vêm descendo pela dita estreitíssima escada, várias Marianas, todas iguais e de candeias acesas, menos uma que usa óculos e bengala e ainda toda curvada prá frente o que quer dizer que é abadessa.
E seria até uma excelente personificação das bruxas de Goya se quando falasse não tivesse aquela voz tão fresca e maviosa da Tia Felicidade da vizinha do lado. E reparando nos dois vultos interroga espaçadamente com cadência, austeridade e imensa falta de corda...

Quem está aí?... E de candeias apagadas?

- Foi o vento, dizem as pobres inocentes varadas de terror... E a abadessa que só é velha nos óculos, na bengala e em andar curvada prá frente manda tocar a sineta que é um dó d'alma o ouvi-la assim tão debilitada. Vão todas pró coro, mas eis que, de repente, batem no portão sem se anunciar nem limpar-se da poeira, sobe a escada e entra pelo salão um bispo de Beja que quando era novo fez brejeirices com a menina do chocolate.

Agora completamente emendado revela à abadessa que sabe por cartas que há homens que vão às mulheres do convento e que ainda há pouco vira um de cavalos a saltar pela janela. A abadessa diz que efectivamente já há tempos que vinha dando pela falta de galinhas e tão inocentinha, coitada, que naqueles oitenta anos ainda não teve tempo para descobrir a razão da humanidade estar dividida em homens e mulheres.

Depois de sérios embaraços do bispo é que ela deu com o atrevimento e mandou chamar as duas freiras de há pouco com as candeias apagadas. Nesta altura esta peça policial toma uma pedaço de interesse porque o bispo ora parece um polícia de investigação disfarçado em bispo, ora um bispo com a falta de delicadeza de um polícia de investigação, e tão perspicaz que descobre em menos de meio minuto o que o público já está farto de saber - que a Mariana dormiu com o Noel. O pior é que a Mariana foi à serra com as indiscrições do bispo e desata a berrar, a berrar como quem se estava marimbando pra tudo aquilo. Esteve mesmo muito perto de se estrear com um par de murros na coroa do bispo no que se mostrou de um atrevimento, de uma insolência e de uma decisão refilona que excedeu todas as expectativas.

Ouve-se uma corneta tocar uma marcha de clarins e Mariana sentindo nas patas dos cavalos toda a alma do seu preferido foi qual pardalito engaiolado a correr até às grades da janela gritar desalmadamente pelo seu Noel. Grita, assobia e rodopia e pia e rasga-se e magoa-se e cai de costas com um acidente, do que já previamente tinha avisado o público e o pano cai e o espectador também cai da paciência abaixo e desata numa destas pateadas tão enormes e tão monumentais que todos os jornais de Lisboa no dia seguinte foram unânimes naquele êxito teatral do Dantas.

A única consolação que os espectadores decentes tiveram foi a certeza de que aquilo não era a soror Mariana Alcoforado mas sim uma Merdariana Aldantascufurado que tinha cheliques e exageros sexuais.

Continue o senhor Dantas a escrever assim que há-de ganhar muito com o Alcufurado e há-de ver que ainda apanha uma estátua de prata por um ourives do Porto, e uma exposição das maquetes pró seu monumento erecto por subscrição nacional do «Século» a favor dos feridos da guerra, e a Praça de Camões mudada em Praça Dr. Júlio Dantas, e com festas da cidade pelos aniversários, e sabonetes em conta «Júlio Dantas» e pasta Dantas prós dentes, e graxa Dantas prás botas e Niveína Dantas, e comprimidos Dantas, e autoclismos Dantas e Dantas, Dantas, Dantas, Dantas... E limonadas Dantas- Magnésia.

E fique sabendo o Dantas que se um dia houver justiça em Portugal todo o mundo saberá que o autor de Os Lusíadas é o Dantas que num rasgo memorável de modéstia só consentiu a glória do seu pseudónimo Camões.

E fique sabendo o Dantas que se todos fossem como eu, haveria tais munições de manguitos que levariam dois séculos a gastar.

Mas julgais que nisto se resume literatura portuguesa? Não Mil vezes não!

Temos, além disto o Chianca que já fez rimas prá Aljubarrota que deixou de ser a derrota dos Castelhanos pra ser a derrota do Chianca.

E as pinoquices de Vasco Mendonça Alves passadas no tempo da avozinha! E as infelicidades de Ramada Curto! E o talento insólito de Urbano Rodrigues! E as gaitadas do Brun! E as traduções só pra homem do ilustríssimos excelentíssimo senhor Mello Barreto! E o frei Matta Nunes Moxo! E a Inês Sifilítica do Faustino! E as imbecilidades do Sousa Costa! E mais pedantices do Dantas! E Alberto Sousa, o Dantas do desenho! E os jornalistas do Século e da Capital e do Notícias e do Paiz e do Dia e da Nação e da República e da Lucta e de todos, todos os jornais! E os actores de todos os teatros! E todos os pintores das Belas-Artes e todos os artistas de Portugal que eu não gosto. E os da Águia do Porto e os palermas de Coimbra! E a estupidez do Oldemiro César e o Dr. José de Figueiredo Amante do Museu e ah oh os Sousa Pinto hu hi e os burros de Cacilhas e os menos do Alfredo Guisado! E (o) raquítico Albino Forjaz de Sampaio, crítico da Lucta a quem Fialho com imensa piada intrujou de que tinha talento! E todos os que são políticos e artistas! E as exposições anuais das Belas-Artes! E todas as maquetas do Marquês de Pombal! E as de Camões em Paris; e os Vaz, os Estrela, os Lacerda, os Lucena, os Rosa, os Costa, os Almeida, os Camacho, os Cunha, os Carneiro, os Barros, os Silva, os Gomes, os velhos, os idiotas, os arranjistas, os impotentes, os celerados, os vendidos, os imbecis, os párias, os ascetas, os Lopes, os Peixotos, os Motta, os Godinho, os Teixeira, os Câmara, os diabo que os leve, os Constantino, os Tertuliano, os Grave, os Mântua, os Bahia, os Mendonça, os Brazão, os Matos, os Alves, os Albuquerques, os Sousas e todos os Dantas que houver por aí!!!!!!!!!

E as convicções urgentes do homem Cristo Pai e as convicções catitas do homem Cristo Filho!...

E os concertos do Blanch! E as estátuas ao leme, ao Eça e ao despertar e a tudo! E tudo o que seja arte em Portugal! E tudo! Tudo por causa do Dantas!

Morra o Dantas, morra! PIM!

Portugal que com todos estes senhores conseguiu a classificação do país mais atrasado da Europa e de todo o Mundo! O país mais selvagem de todas as Áfricas! O exílio dos degradados e dos indiferentes! A África reclusa dos europeus! O entulho das desvantagens e dos sobejos! Portugal inteiro há-de abrir os olhos um dia - se é que a sua cegueira não é incurável e então gritará comigo, a meu lado, a necessidade que Portugal tem de ser qualquer coisa de asseado!

Morra o Dantas, morra! PIM!

José de Almada Negreiros
Poeta d'Orpheu
Futurista E Tudo

A PERCA de paciência

Eis que o meu pseudo promitente orientador decidiu gerar uma proeza, ignorando a existência dos meus e-mails e dos meus projectos de tese, mas respondendo prontamente a contactos em nome do nosso grupo para trabalhos sem préstimo nenhum. Depois de me ter alegado que tinha problemas pessoais, eu temo que por um efeito de halo ele tenha também problemas mentais... SEVEROS. Vamos então reflectir um pouco sobre o pequeno e-mail que nos foi enviado...

"Olá (tentativa de criar intimidade depois de ter cagado a manta anteriormente)

1. A simulação do diagnóstico da PERCA mais do que admissível, é desejável. Não precisam de construir a PERCA ( seria uma simulação de 2ª ordem...), mas será boa ideia referrem (aqui, claramente, teve um pequeno espasmo entre os dois neurónios funcionais que lhe restam) alguns itens, parâmetros e/ou dimensões que suportam a PERCA (perfeita desarticulação dos tempos verbais, o que torna um pouco mais óbvio que ele se encontra efectivamente desfasado no tempo e que neste momento sobram-me 6 meses para fazer a tese), nem que seja para justificar as vossas escolhas (será que é suposto justificar a escolha do orientador neste ponto?).

2. Avaliação: Idem aspas.... (Resposta típica para a obtenção da Nota 12)

Saudações ao grupo (Esta despedida suscita-me algumas questões e muia perplexidade)

Fake Godfather

Escusado será dizer, que assim eu tivesse menos amor às arvorezinhas queridas, poderia imprimir este e-mail umas quantas vezes e dar-lhe o uso que efectivamente o dignificaria...

Escolhas da PERCA - The Cardigans





In Memoriam - Antero de Quental

Este pareceu-me particularmente interessante para partilhar com vocês... ;)

"Eu sou a concha das praias
Que anda batida da onda
E, de vaga em outra vaga,
Não tem aonde se esconda.
Mas se um menino, da areia
A colher e a for guardar
No seio... ali adormece
E é ali seu descansar.
Pois sou a concha da praia
Que anda batida da onda...
Sê tu esse seio infante,
Aonde a triste se esconda!

Eu sou quem vaga perdido,
Sob o sol, com passo incerto,
Contando por suas dores
As areias do deserto.
Mas se um palmar, no horizonte,
Se vê, súbito, surgir,
Tem ali a tenda e a fonte
E é ali o seu dormir.
Pois sou quem vaga perdido,
Sob o sol, com passo incerto...
Sê tu sombra de palmeira,
Sê-me tenda no deserto!

Sou o peito sequioso
E o viúvo coração,
Que em vão chama, em vão procura
Outro peito, seu irmão.
Mas se avista, um dia, a alma
Por quem andou a chamar,
Tem ali ninho e ventura
E é ali o seu amar.
Pois sou quem anda chorando
À procura dum irmão...
Sê tu a alma que me fale,
Inda uma hora ao coração!"

As Escolhas da PERCA - Texas

Mais uma banda que acompanha as FS's há uns aninhos...





quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Dawn Ostard - a PERCA

É com profundo pesar que comunico que alguém achou por bem fazer tame e levar o pequeno animal no qual eu estava de olho... E assim se destrói uma família feliz... Assim sendo, a única coisa que sobrou foi isto... ;)

In Memoriam - Fernando Pessoa

Após um curtíssimo interregno, o Mestre volta à nossa PERCA...

"A luz por trás da torre
Faz a torre diferente.
A verdade, quando morre
Morre só porque não mente.

Mente a lua que se esconde
Por trás da torre de aqui,
Mente a torre porque é onde
A lua não está ali.

A lua é só um reflexo,
A torre é um vulto somente,
E assim, num íntimo nexo,
Qualquer diz verdade e mente.

E é desta mista incerteza
De verdade e de mentira
Que nasce toda a beleza -
Que desta hora se tira.

Saibamos, dando guarida
Ao que tudo é de metade,
Fazer bela a nossa vida
Mentindo com a verdade."


"Que linda é quem não és!
Teu anonimato vivo
Dorme, da cabeça aos pés,
Teu corpo, de ti cativo.

Teu corpo é teu prisioneiro.
Vive na cela de ti,
Íntegro, móbil, inteiro,
Ébrio de ti e de si.

És uma frase perfeita
De um livro escrito na vida.
E as vozes com que és eleita
Deixam-te falsa e esquecida.

Entre ti e o que és de bela
Grandes paisagens estão......

Não existes como estás.
Existe-te uma intenção
Que teu lindo corpo traz
À tona da sensação.

És uma alma em cuja vida
Puseram teu corpo a ser.
Essa beleza vívida
És tu, sem te pertencer.

Qualquer espírito alto
Serviu-se de haveres tu
Para esculpir no basalto
Do abismo teu corpo nu.

E assim olhas-me distante,
Mas não te olho. Vejo em ti
Não a alma flutuante
Que usas, mas teu corpo em si.

Bem podes usar em gozo
Do corpo que deram teu.
Fica sempre misterioso,
Filho da terra e do céu.

Não te pertence. Passou
Na terra como o que tem
Mais que tua alma sonhou.
Não vives, e ele é alguém."

As Escolhas da PERCA - Garbage

Mais uma banda cheia de potencial... ;)







Homenagem da PERCA - XP

Isto é tão lamentável que só mesmo encarando como uma homenagem!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Momentos

Passo a partilhar convosco um momento genuíno.
Estava eu meiga no velhinho IRC quando um user já conhecido mas ainda assim idiota resolve gerar um pequeno comentário. Como calculam tive que usar de alguma criatividade.
Ora reparem:

" fs1 oi
achas que podiamos ter um caso ?
podiamos ter um caso de mandar-te pó caralho
por exp"

Obviamente o meu nick não é fs1. Mas fica o momento. Para a posteridade xD

As Escolhas da PERCA - Massive Attack

Mais uma referência do mundo alternativo para vocês... ;)







Wall-E

Porque há filmes que são OS filmes. Porque o Wall-E é um deles.
Deixo-vos os personagens mais amorosos dos últimos anos da Disney. Sempre fui muito afeiçoada ao universo mágico da Disney. No entanto, os últimos filmes não me têm tocado.
Até que chegou Wall-E. E a EVE. Graças ao ilustre visitante, que me deu a conhecer o pequenino robot que nos mostra o que há de mais puro no amor e no ser humano (mesmo quando não se é humano).

Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us


PS - Sua fs, agora repara neste pequeno ente... E saca IMEDIATAMENTE este pequeno rigor:

Image Hosted by ImageShack.us

Image Hosted by ImageShack.us

Faculdade de Direito de Lisboa

FS3, esta é para ti! Depreendo que vás apreciar este meu miminho ... Recolhi esta pérola hoje e não poderia deixar de partilhar com vocês...



Ora aqui está uma iniciativa de todo o interesse! Espero bem que me informes atempadamente onde se encontra o departamento de vendas desta Instituição para que eu coloque lá à venda o meu departamento inteiro. De brinde oferecemos sua madrinha!

P.S - Lamento a falta de qualidade destas pérolas mas ando a treinar as fotos em movimento. Ainda assim acho que me estou a especializar no multi-task ;)

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Poesia da PERCA - António Ramos Rosa

"Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração."

António Ramos Rosa

As escolhas da PERCA - Christina Aguilera

Pareceu-me que a fs2 ia apreciar o verdadeiro rigor desta pequena música. Senão repara fs:

"If you wanna be with me, baby
There's a price you pay
I'm a genie in a bottle
You gotta rub me the right way
If you wanna be with me
I can make your wish come true
You gotta make a big impression
I gotta like what you do"

Portanto o segredo meninas (e ilustre visitante) é mesmo rubbar the right way xD ah e a impressão que isso deixa.


domingo, 7 de dezembro de 2008

As Escolhas da PERCA - Olive

Esta faz parte da minha colecção de reminiscências... Aconselho vivamente o álbum Extra Virgin ;)

Criança muda

Os homens assumem a coragem
de se atirarem dos tectos onde consumiram
a pertinência dos dias.
Voam. Esborracham-se. Apenas porque
podem. O esguicho de sangue atinge
a criança muda que aguarda o autocarro.
Ergue o olhar agudo para a incompetência
do velho que varre a rua, cansado.
Cheira a sangue. Mas ela não se importa.
Conhece os homens e os seus suicídios
perpétuos. Sorri. O cheiro a sangue
acalma-lhe a alma.

Horror genuíno

E porque há mimos que não podem deixar de ser partilhados na PERCA, aqui deixo o testemunho de um horror genuíno que caiu na minha caixa de e-mail.
Passo a citar:

"Bom dia,

Desde o dia nacional de madrinha até hoje, já recebi 15 pequenas PERCAS para avaliação no módulo de Gestão de Madrinhas e PERCAS Identificadas.

Sinceramente, não me lembro de ter 15 alunos em sala durante as 9 horas que teve o meu módulo. A minha interpretação, facciosa, confesso, é a de que os temas de que fui falar suscitaram TODO O interesse. Se assim foi, fico muito contente. Mais ainda pela elevada qualidade das PERCAS que já pude apreciar. E, garanto-vos, não estou a ser simpático. Ex-alunos de outras docas costumam queixar-se do meu elevado nível de exigência. (interrogo-me se esta situação se deverá ao facto de a avaliação ser obrigatória e a presença nos módulos ser apenas um engodo)

Muitos de vocês ainda estão à espera dos meus comentários das PERCAS em curso, outros de feedback relativo às madrinhas finais. Não me foi possível, desde a passada 5ª feira até hoje, dar resposta a todos os pequenos horrores que recebi (perto de 30! (oO). Espero conseguir responder a toda esta avalanche de peixe durante este fim-de-semana.

Não se preocupem com o prazo!
Desde o início que declarei que o meu objectivo para as vossas PERCAS é que vocês façam uma PERCA que vos seja útil e não um mero exercício piscatório. Assim, prefiro que entreguem mais tarde as versões finais das vossas PERCAS para que possam ter tempo para efectuar eventuais correcções e incorporar algumas melhorias que eu vos possa entretanto sugerir."

Não me lembro de ver tanto merdum junto no mesmo texto. E tenho dito.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Distância próxima

procuro distância, mas estás tão perto..
que não consigo fugir de ti

és tao intensa que assim em mim te marcaste
traças-te te no meu corpo com tinta inconstante

com a ponta dos dedos centilhas na minha carne
na ponta da língua sete cordas, sete notas com que me tocas
evito isto! mito misto, entre a lenda e a matéria
muda tudo à minha volta, com as ondas
que nos epicentrámos.

evito pensar-te
para que os alicerces do meu ser não estremeçam

entro no escuro
sinto me ofuscado pela tua ausência

procuro distância, mas estás tão perto..
que nao consigo fugir de mim


anónimo

Escolhas da PERCA - Carter Burwell (Twilight OST)

Porque esta música podia embalar o sonho que descrevi à pouco.

Sonho

Hoje sonhei com o mar. Um mar aparentemente calmo. Que se encrespou. Que estremeceu. Que eu soube que nos ia engolir.
E fugi. E levei algumas pessoas comigo. Uma amiga. Antiga. Ainda amiga. Ou não? Um bebé. Do casal mais improvável.
A noite escureceu na praia. Mas não havia lua nem estrelas, porque a Lua recusou-se a ser testemunha da morte do Humano.
E fugi. Não sei para onde. Para longe do mar. Para longe dos humanos que começaram lentamente a enlouquecer.
Havia um monstro no mar. Foi a última coisa que me recordo antes de fugir. Eles diziam que era apenas um peixe. Mas não era (sim, não era uma PERCA nem nada que se parecesse).
Era uma ofensa. Que rugia. Que era maquinal. E o mar quis engolir-nos a todos.
Como quer tantas vezes nos meus sonhos.

Ainda assim, eu fugi. Para onde, não sei. Perguntava à minha amiga onde íamos dormir nessa noite. Quão longe do mar seria suficientemente longe do mar? Quão longe do ser humano? De nós próprios?
Lembro-me que separei a minha amiga da mãe, porque a mãe não era a mãe. Era a loucura. A aparente doença que estava a atingir o ser humano. Mesmo antes do mar.

No fim, sei que o mar tentaria engolir-nos a todos.

A arte da PERCA - Trenchmaker

Porque andamos em fase de muito rigor e alguma lamechada, aqui fica uma escolha de arte muito particular... Ora digam lá se este hippo não merece pertencer à família PERCA?

Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us


a arte de trenchmaker pode ser encontrada aqui.

Lamechada by PERCA

Uma vez que o corolário da nossa PERCA é "criar ambiente", achei que seria de TODO O INTERESSE e que faria TODO O SENTIDO envidarmos esforços nesta direcção, de forma a tornarmos o nosso pequeno espaço um pouco mais sentimentalista. Como não poderia deixar de ser, encontrei uns cartoons profundamente inspiradores...



In Memoriam - Miguel Torga

Para irmos variando um bocadinho, aqui ficam dois miminhos do Miguel Torga (remember FS3?)...

Desfecho

Não tenho mais palavras.
Gastei-as a negar-te...
(Só a negar-te eu pude combater
O terror de te ver
Em toda a parte).

Fosse qual fosse o chão da caminhada,
Era certa a meu lado
A divina presença impertinente
Do teu vulto calado
E paciente...

E lutei, como luta um solitário
Quando alguém lhe perturba a solidão.
Fechado num ouriço de recusas,
Soltei a voz, arma que tu não usas,
Sempre silencioso na agressão.

Mas o tempo moeu na sua mó
O joio amargo do que te dizia...
Agora somos dois obstinados, mudos e malogrados,
Que apenas vão a par na teimosia."

Viagem

"Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar...
(Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos).

Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura...
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar."

As Escolhas da PERCA - Lamb





sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Poesia da PERCA - Maria do Rosário Pedreira

"Dorme, meu amor, que o mundo já viu morrer mais
este dia e eu estou aqui, de guarda aos pesadelos.
Fecha os olhos agora e sossega o pior já passou
há muito tempo; e o vento amaciou; e a minha mão
desvia os passos do medo. Dorme, meu amor -

a morte está deitada sob o lençol da terra onde nasceste
e pode levantar-se como um pássaro assim que
adormeceres. Mas nada temas: as suas asas de sombra
não hão-de derrubar-me eu já morri muitas vezes
e é ainda da vida que tenho mais medo. Fecha os olhos

agora e sossega a porta está trancada; e os fantasmas
da casa que o jardim devorou andam perdidos
nas brumas que lancei ao caminho. Por isso, dorme,

meu amor, larga a tristeza à porta do meu corpo e
nada temas: eu já ouvi o silêncio, já vi a escuridão, já
olhei a morte debruçada nos espelhos e estou aqui,
de guarda aos pesadelos a noite é um poema
que conheço de cor e vou cantar-to até adormece"

Maria do Rosário Pedreira

As escolhas da PERCA - Paramore

Dedicado à mana, que está obcecada com estes livros, o filme e a banda sonora (sim e o gajo Oo) ;)




Retrato ou retratação?

É incrível como A PERCA quase no seu mesaniversário e quase com 80 posts não tenha ainda citado este Senhor.
Eugénio de Andrade, que fala tanto ao coração como eu própria o poderia fazer caso tivesse propensão para a poesia...

Aqui vos deixo um retrato de mim (ou será uma retratação)?? ;p
FS2, I need some therapy!!


"Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos."

Reflexões...

- Minha amiga, sabes o que te digo? A vida está outra vez a testar-te... Dizias a) b) e c) e agora estás a ser confrontada com esses factos...
- Mas não quero saber... Ficarei...

Pois é, a vida prega-nos rasteiras...
Be carefull with what you wish, because it just might happen... ou.... experience is what you get when you don't get what you want... ou ainda... se tens um problema com solução não te preocupes, porque tem solução, mas se tens um problema sem solução, também não te preocupes porque não tem solução... ou mais trezentas mil ideias que me assolam no silêncio desta tarde interminável...

De facto NÃO gosto de ser posta a teste.... Não gosto... É coisa que me dá comichões na sola dos pés e cólicas de mau estar...

Gosto de sossego, gosto de paz... Mas gosto de barulho e de silêncio... exterior e interior, respectivamente...

Gosto do azul do mar e não gosto de ondas grandes...

Gosto de miminhos e NÃO gosto de complicações....


Porquê? Pois que não sei... também se poderia aplicar o só sei que nada sei, mas essa já está demasiado citada... pelo que vos deixo Carlos Drummond de Andrade, que não obstante ser um autor que não aprecio muito, escreve pequenas grandes verdades, que por vezes fazem tanto sentido... Ora vejamos:


"Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim."

In Memoriam - Fernando Pessoa

Hoje é a vez do heterónimo Ricardo Reis a pedido da Mana... ;)

"Vivem em nós inúmeros;
Se penso ou sinto, ignoro
Quem é que pensa ou sente.
Sou somente o lugar
Onde se sente ou pensa.

Tenho mais almas que uma.
Há mais eus do que eu mesmo.
Existo todavia
Indiferente a todos.
Faço-os calar: eu falo.

Os impulsos cruzados
Do que sinto ou não sinto
Disputam em quem sou.
Ignoro-os. Nada ditam
A quem me sei: eu escrevo."

"Uns, com os olhos postos no passado,
Vêem o que não vêem: outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, vêem
O que não pode ver-se.

Por que tão longe ir pôr o que está perto —
O dia real que vemos? No mesmo hausto
Em que vivemos, morreremos. Colhe
O dia, porque és ele."

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

In Memoriam - Fernando Pessoa

A PERCA está a começar a desvelar alguns poemas inauditos do nosso Mestre...

"O sangue que circula em minhas veias
Vem do sol por seu ser.
Os mares que naufragam nas areias
Vêm da lua, porque os faz mover.

Meu sangue é por destino e condição
Superior ao que há
No externo sórdido mundo. O coração
Praias não usa, onde quebrará.

Assim, sem lhes tocar, domino as coisas
E do meu ser solar
Vejo as marés lunares como rosas
Que florem onde nada pode estar..."

Solicitação da PERCA

Venho por este meio solicitar a colaboração do nosso ilustre visitante XK na obtenção do animal raro que aparece na foto infra... É um Dawn Ostard e temo que precise de 100% de Animal Taming :(


Aparição do POLVO na PERCA - Versão Cartoon

Face à vossa reacção relativamente ao nosso POLVO, e tendo em consideração que temos queda para o saudosismo, fica desde já prometido que este fará, muito em breve, uma nova aparição, em local a designar. De qualquer forma, encontrei em versão Cartoon o momento em que este pequeno ente nos apareceu. Quaisquer semelhanças com um gato são pura coincidência! As formas do bicharoco são muito volúveis... ;)



Snoopy =))

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Antecedentes da PERCA - O POLVO

Houve tempos em que o nosso inconsciente colectivo era gerido por uma entidade - o POLVO. Lamentavelmente, as FS1 e FS2 não o souberam proteger devidamente, pelo que em pouco tempo o conceito foi desvirtuado e conspurcado por pessoas diversas, que insistiram em comparar o nosso magnânimo ente com moluscos sem qualquer tipo de credibilidade.

No entanto, tempos antes de se retirar da nossa existência imanente para o sua realidade transcendente, o POLVO fez-nos uma singela visita no nosso estabelecimento académico. Esse momento foi, obviamente, registado pela Equipa PERCA, que presta assim uma pequena homenagem aquele que foi o precursor do movimento de união marcando, indelevelmente, a nossa lúgubre existência... ;)










Mega Night da PERCA

Temos de agradecer à nossa Martinha por esta pérola... ;)

Crónica de António Lobo Antunes

"Estou a escrever com a esferográfica do hotel, na única mesa do quarto, diante do espelho: levanto os olhos e o que pensam ser a minha cara ali. Como na porta existe um sinal de proibição de fumar acendo um cigarro. Conheço centenas de quartos de hotel em não sei quantos países, e no entanto a sensação de ficar sempre no mesmo. Provavelmente é o mesmo, que vai mudando de cidade a perseguir-me. Em todos escrevi, aproveitando uma horinha à tarde, dez minutos à noite a fim de não perder a mão. No televisor ligado, sem som

(tiro sempre o som àquilo)

um concurso idiota que ajuda a compreender que não me enganei: em todos os televisores de todos os hotéis da minha vida concursos idiotas, um apresentador ridículo, uma assistente que merecia melhor sorte, por exemplo estar aqui comigo. E daí não: ao fim de meia hora já não conseguia aturá-la, apesar do penteado, apesar do vestido, apesar das pernas. Mulheres que me fazem lembrar o aviso nos rótulos dos xaropes: agite antes de usar. Voltei ao hotel agora, a seguir aos autógrafos, é muito tarde, estou cansado. As pessoas que me lêem comovem-me: fiz um livro diferente para cada uma delas, com palavras diferentes, do mesmo jeito que um alfaiate trabalha por medida, porque a vida de cada um é única, nunca existiu ninguém antes. As experiências podem ser parecidas, a maneira de vivê-las diversa: somos mundos sem fim. Guardo olhos, sorrisos, vozes, dedos que apertaram os meus, uma comunhão indizível. São eu e eu sou elas, falando para elas, por elas. Tanto sofrimento também, algumas alegrias, um imenso, impartilhável silêncio que deseja, com toda a força da alma, ser escutado. Durante os autógrafos oiço muito mais do que digo, escuto expressões, olhares, gestos, o som de um sorriso. Isto no Porto, sexta e sábado, com gaivotas pequeninas

(nunca tinha visto gaivotas pequeninas)

nos penedos da foz, dúzias de gaivotas pequeninas nos penedos da Foz, a aprenderem a ser, na manhã de um azul tão português e imenso mar à nossa frente, sob toneladas de sol, a pura alegria de estar vivo. Ganas de ir à Boa Nova na esperança de encontrar António Nobre, que me retratou inteiro nos seus versos. E as gaivotas pequeninas para aqui e para ali, confundidas com o cinzento das rochas. Estou a meter estas palavras no papel, sem crítica, não pretendo ter graça, não pretendo ser profundo, não pretendo impressionar ninguém: recuperei a infância sou um miúdo espantado. E, tal como quando era miúdo, não morrerei nunca, qualquer fada obscura parece condenar-me à felicidade, um dia dura que tempos, peguem-me ao colo. Uma ocasião, com cinco ou seis anos, Mozart deu um concerto para a corte francesa. Mal começaram os aplausos foi a correr para os joelhos da rainha Maria Antonieta e pediu

– Goste de mim

Será a sede de amor uma doença grave? Ponho os nomes das pessoas nos livros, ponho o meu, palavras entre os dois nomes e ficamos unidos. É bom conhecer quem me lê, afinal existem leitores, os livros não saem sozinhos das livrarias, sinto-me grato. As gaivotas pequeninas sempre em bando, junto umas das outras, com medo. O Zé Francisco ao meu lado

– Já tinha visto gaivotas pequeninas?

e nunca tinha visto gaivotas pequeninas, há imensas coisas que nunca vi. Também ando a aprender a ser. Escrevi sobre esta praia em junho, perdão, em maio, perdão, em maio ou junho não recordo ao certo. Se calhar esta crónica vai ficar uma chumbada, são desenhos sem interesse na margem do papel. Que importa? Sou feito destas minúsculas coisas igualmente, destas patetices que me desfiguram o perfil, desta pobreza de emoções:

– Já tinha visto gaivotas pequeninas?

e a cara diante do espelho opaca. Deito fora estas folhecas? Mando-as para a revista assim? Abro a janela toda e um bêbado lá em baixo na avenida, em lentidões orgulhosas, equilibrando o corpo que lhe foge numa atenção preocupada. De vez em quando pára a insultar sombras, ameaçando-as com a manga solene, janelas cegas, quase nenhuma luz nos prédios fronteiros: a minha cara continuará no espelho à espera que eu volte? Espreito e lá está ela de facto

– Quem és tu?

não, antes

– Quem és tu por baixo dessa cara?

que parece avaliar-te, medir-te. O bêbado lá ao fundo, longe, suponho que zangado ainda. Apetecia-me passear na Ribeira agora, apetecia-me uma trouxa de ovos, apetecia-me o teu corpo, apetecia-me que o vento me despenteasse, apetecia-me benzer-me ao passar pelo oratório da minha avó. Apetecia-me conversar com Santo Agostinho acerca do Tempo, apetecia-me reler Ovídio. Mas vou levantar-me daqui porque acabei, estender-me na cama, esvaziar-me, não pensar em nada. Ou seja: pensar nas gaivotas pequeninas, pensar no mar. Qual das ondas sou eu? Desfaço-me sem ruído, desapareço. Ficam os meus livros na areia. Talvez alguém descubra, daqui a imensos séculos, os meus livros na areia. Não são livros, aliás: são apenas as marcas dos passos de um homem."

António Lobo Antunes in Visão

As Escolhas da PERCA - Roxette

Espero que aprecies a minha selecção FS1... devo dizer-te que não foi nada fácil seleccionar estas musiquinhas... Sei que vou já aqui ficar votada a todo o descrédito mas gosto de várias. Parecem-me apropriadas para fazer chorar as pedrinhas da calçada, ou para nos servirem de banda sonora na nossa "Em busca do (a) orientador (a) perdido (a) *, parte III" ;)
* - Título alternativo - "Em busca de sua madrinha, parte 1 milhão"







In Memoriam - Fernando Pessoa

Continuo a minha selecção de poemas do Mestre para vocês...

"A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto.
Se escuto, eu te oiço a passada
Existir como eu existo.

A terra é feita de céu.
A mentira não tem ninho.
Nunca ninguém se perdeu.
Tudo é verdade e caminho."


"Dorme, que a vida é nada!
Dorme, que tudo é vão!
Se alguém achou a estrada,
Achou-a em confusão,
Com a alma enganada.

Não há lugar nem dia
Para quem quer achar,
Nem paz nem alegria
Para quem, por amar,
Em quem ama confia.

Melhor entre onde os ramos
Tecem docéis sem ser
Ficar como ficamos,
Sem pensar nem querer,
Dando o que nunca damos."

As Escolhas da PERCA - Sara Barailles

Dedicadas à FS3 obviamente ;)



terça-feira, 2 de dezembro de 2008

As escolhas da PERCA - Scorpions







Afecto Positivo na PERCA

FS3 este é mesmo direitinho para ti! A tua vida aparece muito bem representada em Cartoon! Ora vejamos...


As borboletas na barriga... remember? ;) Mas há mais...



"Gosto de ti daqui até ali, gosto de ti só porque sim, gosto de ti e tu gostas de mim" (o nome do intérprete está expressamente BANIDO de surgir neste espaço onde impera o BOM GOSTO musical).

Começo efectivamente a ficar surpreendida com o curso da tua vida... ;)

As Escolhas da PERCA - Radiohead

Penso que esta banda dispense apresentações... ;)







In Memoriam - Fernando Pessoa

Mais um poema do Mestre... Este é dedicado à FS3... ;)

"Em plena vida e violência
De desejo e ambição,
De repente uma sonolência
Cai sobre a minha consciência
Desce ao meu próprio coração.

Será que a mente, já, desperta
Da noção falsa de viver,
Vê que, pela janela aberta,
Há uma paisagem toda incerta
E um sonho todo a apetecer."
 

a perca © 2008. Chaotic Soul :: Converted by Randomness